Instituto Odeon promoveu seminário sobre o terceiro setor na gestão cultural em Porto Alegre

De Instituto Odeon em 16 de maio de 2017


O Instituto Odeon, a Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, a Usina do Gasômetro, a Universidade Aberta e com apoio da CAF-Corporação Andina de Fomento realizou, em 31 de maio de 2017, o seminário “O Terceiro Setor na gestão da cultura”. O evento, gratuito, recebeu convidados com diferentes experiências para debater a atuação das organizações sociais gestoras de projetos, instituições e outras iniciativas culturais do poder público em parceria com o terceiro setor. Houve também, durante o seminário, a apresentação de dois cases.

Abrindo o evento, Luis Sobral (Diretor Executivo da Associação Paulista dos Amigos da Arte – APAA) apresentou um panorama sobre este modelo de gestão. Em seguida, Fernando Schuler (Professor e Pesquisador no Insper) e Flavio Alcoforado (Consultor no Setor Público e Terceiro Setor) iniciam o primeiro painel cujo tema é “Contratualização por resultados: o modelo de gestão por Organizações Sociais”. Mediado por Eder Campos (Presidente do Conselho de Administração do Instituto Odeon), o debate abordou os contrapontos entre o Marco Legal do Terceiro Setor (lei 13.019) e o Marco Legal do modelo OS, além dos desafios na implementação do modelo OS, a metodologia de avaliação e monitoramento do mesmo.

 

Com mediação de Emília Paiva (Conselheira do Instituto Odeon), o painel “Resultados e sustentabilidade nos projetos culturais” começou na parte da tarde e contou com a participação de  Ronaldo Bianchi (Diretor executivo na Bianchi&Associados) e Claudinéli Ramos (Coordenadora da Unidade de Monitoramento e Avaliação da SEC-SP). Os palestrantes falaram sobre a gestão e sustentabilidade nos projetos culturais e os principais resultados dos contratos de gestão das OS de cultura em São Paulo.

Os cases apresentados na parte da tarde foram: “MAR – a experiência como 1ª OS no cenário cultural carioca”, com Ana Carolina Lara (Diretora Executiva do Instituto Odeon) e “Pinacoteca do Estado de São Paulo – Avanços e resultados a partir da gestão pela Organização Social”, com Marcelo Dantas (Diretor Administrativo Financeiro da Pinacoteca).


PROGRAMAÇÃO

Das 9h30 às 12h30

Palestra de abertura: “Panorama e futuro do modelo de parceria entre Organizações Sociais e o poder público”, com Luis Sobral (Diretor executivo da Associação paulista dos Amigos da Arte – APAA).

1º PAINEL

Mediador: Eder Campos (Presidente do Conselho de Administração do Instituto Odeon).

Tema: “Contratualização por resultados: o modelo de gestão por Organizações Sociais”.

– “Marco Legal do Terceiro Setor (lei 13.019) X Marco Legal do modelo OS”, com Fernando Schuler (Professor e Pesquisador no Insper);

– “Metodologia de avaliação e monitoramento do modelo / Desafios na implementação do modelo”, com Flavio Alcoforado (Consultor no Setor Público e Terceiro Setor).

Das 14h às 17h

Case: “MAR – A experiência como 1ª OS no cenário cultural carioca, com Ana Carolina Lara (Diretora Executiva do Instituto Odeon).

 

2º PAINEL

Mediador: Emília Paiva (Conselheira do Instituto Odeon).

Tema: “Resultados e sustentabilidade nos projetos culturais”.

– “Gestão e sustentabilidade nos projetos culturais”, com Ronaldo Bianchi (Diretor executivo na Bianchi&Associados);

– “Principais resultados dos contratos de gestão das OS de cultura em São Paulo”, com Claudinéli Ramos (Coordenadora da Unidade de Monitoramento e Avaliação da SEC-SP).

Case: “Pinacoteca do Estado de São Paulo – Avanços e resultados a partir da gestão pela Organização Social”, com Marcelo Dantas (Diretor Adminstrativo Financeiro da Pinacoteca).

SOBRE OS PALESTRANTES

Luis Celso Vieira Sobral

Graduado em Administração de Empresas pela Faculdade Presbiteriana Mackenzie, hoje é o atual Diretor Executivo da APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte e também Diretor Presidente da ABRAOSC – Associação Brasileira das Organizações Sociais de Cultura. Atuou também como Presidente da Comissão de Avaliação das Organizações Sociais de Cultura na Secretaria Estadual de Cultura do Estado de São Paulo, onde, anteriormente, atuou como Secretário Adjunto e Secretário Interino de Estado. Pelo período de uma década, atuou em outros diversos cargos públicos. Foi também coordenador de parcerias institucionais no Instituto Itaú Cultural.

Ronaldo Bianchi

Formado em Administração Pública pela FGV, Mestre em Administração pela PUC-SP, MBA Executivo Internacional pela FIA-USP e Conselheiro Certificado pelo IBGC. É Diretor da Bianchi&Associados, Diretor Executivo do Instituto Lina Bo Bardi e Conselheiro do COINFRA da FIESP e da Revista Interesse Nacional. Docente de Políticas Públicas de Cultura do curso de Pós-Graduação FAAP – Gerente de Cidades. Foi Diretor da Animus Consultoria de 2012 a 2013, Diretor Executivo da OS Pensarte (2012-2013), Vice-Presidente de Gestão da TV Cultura (2010-2012), Secretário Adjunto

do Estado da Cultura em São Paulo (2007-2010), Vice-Presidente do Itaú Cultural (2001-2006), Superintendente Geral do Museu de Arte Moderna – MAM – São Paulo (1998-2006), Gerente Administrativo do Memorial da América Latina (1997-1998), Diretor da metalúrgica Metalbianchi (1977-1997) e Diretor da Bianchi Editores (1985-1989). Foi também Presidente da Comissão de Organizações Sociais da Secretaria de Estado da Cultura em São Paulo, membro do Comitê Gestor de Museus do IPHAN e da Comissão de Análise de Projetos Culturais da Secretaria Municipal de São Paulo. Como Conselheiro atuou no SESI São Paulo, FDE (Fundação de Desenvolvimento da

Educação), Emplasa (Empresa de Planejamento Metropolitano S.A.), IPT (Instituto de Pesquisa Tecnológica), Conselho Estadual da Cultura de São Paulo e na Organização Social São Paulo Leitura.

Flavio Alcoforado

Doutor em Administração Pública e Governo pela EAESP/FGV, Mestre em Administração pela EBAPE/FGV, Especialista em Gestão Empresarial pela PUC-Rio, Advogado, atuou como consultor junto a Governos para a contratualização de resultados do Estado com o Terceiro Setor (MG, SP, ES, CE, RJ e RS). Atuou como executivo em organizações estatais e do terceiro setor, como: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (Subsecretario de Saude), CeMAIS – Centro Mineiro de Alianças Intersetoriais (Diretor Executivo), TVE Brasil (Diretor), ANS-Agência Nacional de Saúde Suplementar (Gerente-Geral de Fiscalização), ENAP-Escola Nacional de Administração Pública (Coordenador-Geral de Difusão), MARE – Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado (Coordenador do Gabinete do Ministro). Atua como Professor universitário e consultor no setor público e terceiro setor.

Claudinéli Ramos

É historiadora e mestre em Filosofia da Educação pela USP e especialista em Gestão do Terceiro Setor pelo SENAC. De jan/2008 a abr/2013 foi coordenadora da Unidade de Museus da Secretaria da Cultura do Estado de SP, e desde maio de 2013 coordena, na mesma Pasta, a recém-criada Unidade de Monitoramento e Avaliação. Integra o quadro de docentes do CEDIC/PUC-SP, do MBA em Gestão de Museus da UCAM-RJ, e da Escola Superior da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo – ESPGE. Desde julho/2015, é pesquisadora coordenadora, por parte da SEC-SP, do convênio de cooperação técnico-científica e cultural com o Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP – NUPPS/USP, para desenvolvimento do Observatório de Políticas Públicas de Cultura do Estado de SP – LabCult.

Marcelo Costa Dantas

Técnico contábil pelo SENAC-SP, licenciado em História pela UniABC em 2001, pós-graduado em Controladoria, Contabilidade e Finanças pela FECAP-SP em 2006, MBA em Administração pela Fundação Getúlio Vargas –FGV/SP em 2014. Atuou na coordenação do projeto de harmonização de procedimentos contábeis para organizações sociais de cultura, realizado em parceria da ABRAOSC – Associação Brasileira de Organizações Sociais da Cultura com a FIPECAFI – Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, nos anos de 2014/2015. Desde outubro de 2014 é Diretor Administrativo Financeiro da Associação Pinacoteca Arte e Cultura – APAC, instituição responsável pela gestão da Pinacoteca de São Paulo e Memorial da Resistência de São Paulo. Foi Coordenador Financeiro da mesma APAC (2006-2014). Desenvolveu atividade voluntária como Diretor Técnico na ABRAOSC (2015-2017).

 

Seminário O Terceiro Setor na Gestão da Cultura

De Instituto Odeon em 13 de janeiro de 2017


No dia 26 de janeiro, aconteceu no Museu de Arte do Rio – MAR o seminário “O Terceiro Setor na Gestão da Cultura”. A conferência foi realizada pelo Instituto Odeon com o objetivo de debater a atuação das organizações sociais gestoras de projetos, instituições e outras iniciativas culturais do poder público. Na ocasião, foi lançada também a publicação “O Terceiro Setor na Gestão da Cultura – A perspectiva a partir do Museu de Arte do Rio“, organizada pelo Diretor Presidente do Instituto Odeon, Carlos Gradim. O livro traz ao público um relato de sua experiência durante os cinco anos à frente da gestão do MAR, a partir de discussões sobre gestão da cultura e o modelo de gestão por organizações sociais trazidas por autores convidados.
Para quem não teve a oportunidade de participar do seminário, o conteúdo gravado está disponível na página do Instituto Odeon. O livro “O Terceiro Setor na Gestão da Cultura: a perspectiva a partir do Museu de Arte do Rio” também pode ser acessado aqui.

 

O SEMINÁRIO

O início do evento foi marcado com as falas do Diretor Presidente do Instituto Odeon Carlos Gradim e da Secretária de Cultura da Cidade do Rio de Janeiro Nilcemar Nogueira.

Fala do Diretor Presidente do Instituto Odeon Carlos Gradim
Fala de abertura do Diretor Presidente do Instituto Odeon Carlos Gradim
Fala da Secretária de Cultura da cidade do Rio de Janeiro Nilcemar Nogueira
Fala da Secretária de Cultura da cidade do Rio de Janeiro Nilcemar Nogueira

O Seminário foi composto por três mesas, cada uma delas seguida pela apresentação de um case, a seguir:

 

  • Mesa 1 – Um Panorama sobre o modelo de parceria com o Estado

Mesa 1 – Um Panorama sobre o modelo de parceria com o Estado

Abordou o histórico e a evolução desse modelo de parceria entre a sociedade civil e o Estado, tratando dos aspectos positivos e negativos de sua aplicabilidade e efetividade. De maneira crítica, foi abordado se esse modelo de fato trouxe benefícios para a sociedade quando comparado a prestação direta pelo Estado; o que é possível fazer para expandir esse modelo de parceria para outros municípios/estados e quais são suas principais barreiras.

• Renata Motta (Coord. Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico – SEC-SP)
• Flavio Alcoforado (Doutor em Administração Pública e Governo pela EAESP/FGV)
• Beth Ponte (Diretora Geral Instituto de Ação Social pela Música – IASPM / Programa NEOJIBA
Mediador: Ana Carolina Lara (Diretora Executiva Instituto Odeon / Museu de Arte do Rio)

Case 1 – Museu do Café – Marilia Bonas (Diretora Executiva Instituto de Preservação e Difusão da História do Café e da Imigração / Museu do Café e Museu da Imigração)

 

  • Mesa 2 – Foco no Valor Público
Mesa 2 – Foco no Valor Público

 

O que é valor público? O que é valor público na Cultura? Foram as perguntas norteadores dessa mesa que também abordou qual o papel do Estado e da sociedade para defender e alavancar o que entendemos com valor público. O desafio de como tornar esse conceito tangível para que possamos medir esses resultados. Temas como transparência e compliance estiveram presentes.

• Silvia Finguerut (Coord.de projetos de cultura e urbanismo da FGV Projetos)
• Claudinéli Ramos (Coord. Unidade de Monitoramento e Avaliação SEC-SP)
• Humberto Falcão Martins (Diretor do Instituto Publix)

Mediador: Erich Castilhos (Assessor Jurídico da Diretoria Executiva Instituto Pensarte (SP))

Case 2 – Projeto Guri – Alessandra Fernandez Alves da Costa (Diretora Executiva Amigos do Guri / Projeto Guri)

 

  • Mesa 3 – Gestão e Sustentabilidade
Mesa 3 – Gestão e Sustentabilidade

 

Foram abordados os maiores desafios da gestão de equipamentos de cultura em parceria com o Estado. O que é e como buscar caminhos para a sustentabilidade e perenidade dos projetos? E como a parceria com a sociedade pode ampliar as possibilidades de formas de financiamentos contribuindo para a sustentabilidade de projetos culturais?

• Eleonora Santa Rosa (Diretora do Santa Rosa Bureau Cultural)
• Deca Farroco (Gerente de Projetos da Unidade de Patrimônio e Cultura na Fundação Roberto Marinho)
• Bruno Ramos Pereira (Sócio da Radar PPP )
Mediador: Pedro Paulo Gangemi (Gerente de Projetos do Sistema Fecomércio-RJ)

Case 3 – Orquestra Filarmônica de Minas Gerais – Diomar Silveira (Presidente Instituto Cultural Filarmônica / Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

 

Fiquem de olho no site do Instituto Odeon para participar das nossas programações!